sexta-feira, 24 de julho de 2009

Ausência...

E no laboratório da vida, sigo extraindo, avaliando, medindo e pesando, provando do bom e do ruim...

Nesta análise diária de quem sou e de que vivo.

No fim das contas, somos apenas uma mistura do todo e de tudo.

Cabe a nós reagirmos ou não...

25/07/2009, 00:15.

E naquela noite a chuva chegou...

Com ela, o frio...

E a lembrança.

De como tudo era perfeito.


E dia após dia, a vida passou, ninguém sentiu e muito menos ouviu.

Lembra do mar??? Da cor do mar??? Do som do mar???

Nas trilhas do saber nos encontramos e no mosaico da vida nos entendemos.

Muitos foram os ataques e de todas as formas e direções e em todos os sentidos...

E agora o mundo chora, na imensidão da noite...


Se cala...

Nada para...

Nada sara...


A vida pra mim cresceu, envelheceu...

A vejo com outros olhos, aprendi enxergar a falsidade, essa falsa moralidade...

Carniceiros que rondam a Terra em busca dos corpos, daqueles que entregam-se.

E que jamais entenderão...


Os espertos do Mundo, os Vividos, Sábios e Sabedores.

Malditos “batatas”...

Não fazem ideia do que os aguardam.

Apesar de todo sofrimento, toda penação...

De nada adiantou e pouco levarás.


Vazios de Coração...

Esperam que a Vida seja igual... Para todos.

Tão preocupados com as chagas que não enxergam a Cura.

Alimentos para os vermes, como qualquer outro Ser Orgânico, ricos em Maldades, filtradas do Mundo, que tanto temestes.

Malditos “Tubérculos”...

Existem para tornar a vida fria...Pálida... Insossa...


E naquela noite a chuva chegou...

Com ela, o choro...

E a lembrança.

De como tudo era vivo.